AUTOR

CÂNDIDO SOBREIRO

Nasceu no Minho no ano de 1979, e desde cedo dividiu a paixão artística entre a poesia e o teatro.

Em 1997, depois das aulas de Expressão Dramática, ingressa na Companhia de Teatro de Barcelos e percorre o interior e norte do país por muitas salas de teatro improvisadas. Em 1999, recebeu o prémio Jovens Criadores, na área de literatura, com o trabalho poético Premonições de um Aprendiz e em 2001, representou Portugal na área de literatura da II Bienal de Jovens Criadores da CPLP (Comunidade de Países de Língua Portuguesa). Em 2002, publica o livro de poemas Estaca Zero.

Em 2007, funda o Teatro de Balugas na sua terra natal, com o objetivo de preservar a identidade comunitária da aldeia de Balugães, situada entre o Baixo e o Alto Minho. Aliado a este projeto teatral, é diretor do festival e prémio de teatro PALCO DE TERRA, coordena a plataforma artística BORZEGUIM e organiza o TERREIRO – espetáculo bienal de teatro comunitário.

Licenciado em Ciências da Comunicação, o autor trabalha desde 2002 na Universidade Fernando Pessoa, inicialmente no departamento de Comunicação e atualmente nas Relações Internacionais. Vive em Braga. É casado e pai de dois filhos.

POESIA

Selecionado na área de Literatura da Mostra Nacional de Jovens Criadores com o trabalho Premonições de um Aprendiz, 1999
Participação na Antologia de Jovens Poetas do Baixo Minho, 2000
Representante de Portugal na área de literatura da II Bienal de Jovens Criadores da CPLP (Comunidade de Países de Língua Portuguesa), 2001
Autor do livro de poesia Estaca Zero, Editorial Palavra d’Honra, 2002
Participação na antologia Cabeleira de Berenice, Editorial Palavra d’Honra, 2004

TEATRO

Actor de A CAPOEIRA – Companhia de Teatro de Barcelos, 1997 a 2002
Actor e encenador do TEATRO DE BALUGAS, desde 2007
Diretor do festival e prémio de teatro PALCO DE TERRA, desde 2017
Diretor artístico do TERREIRO – espetáculo bienal de teatro comunitário, desde 2013

AUTORIA dos textos de teatro:

O AUTO DOS BONS DIABOS, 2015
– estreia no EIXPRESSÕES – Encontro de Teatro Popular do Noroeste Peninsular [2015]
– espetáculo fotografado para o livro de fotografia documental, intitulado “Bons Diabos” de Paulo Alegria [2017]

PÃO NOSSO, 2018
– estreia no Festival de Teatro de Barcelos [Theatro Gil Vicente] (Prémio de Melhor Espetáculo, Melhor Cenário, Melhor Sonoplastia, Melhor Iluminação Cénica e Melhor Guarda-Roupa) [2018]
– espetáculo selecionado para o Festival Transfronteiriço de Teatro Amador PLATTA (Plataforma Transfronteiriça de Teatro Amador) – Espanha [2019]
– espetáculo finalista selecionado para o CONTE- Concurso Nacional de Teatro [2020]

RAPOSOS, 2019
– estreia no Festival de Teatro de Barcelos [Theatro Gil Vicente] (Prémio de Melhor Espetáculo, Melhor Cenário, Melhor Sonoplastia, Melhor Iluminação Cénica e Melhor Guarda-Roupa) [2019]

A FURGONETA, a estrear em 2020
– espetáculo vencedor da 1ª edição da Bolsa TEIA de Criação Teatro Amador da rede cultural TEIA – Teatro Em Iniciativa Associativa, do Projeto Comunidade do Teatro do Noroeste – CDV. (2020)